Zika e o desejo de engravidar

Evitar ou não a gravidez durante a epidemia do vírus Zika?

Decidir engravidar deve ser uma decisão discutida e planejada com o seu médico. Cada caso deve ser individualizado, pois a solução definitiva para evitar a influência do Zika vírus na gravidez ainda levará alguns anos.

Antes de decidir entre adiar ou não a gravidez é preciso ter conhecimento sobre o estado atual da fertilidade. Geralmente após os 35 anos, a queda da fertilidade é acelerada nas mulheres, mas há casos que esta situação pode ser antecipada.

Não existe vacina. A melhor maneira de se prevenir a doença e evitar o contato com o mosquito é combater os focos, que são típicos de regiões urbanas de clima tropical.

Optando pela gestação, a mulher tem que estar ciente de que deverá ter cuidado redobrado e não se esquecer das medidas preventivas, tais como: evitar se expor pela manhã e ao entardecer, períodos do dia onde o mosquito ataca; usar telas nas janelas ou fechá-las nos horários críticos; usar camisas de manga longa, calça comprida e usar repelentes.

Segundo a ANVISA, não há restrições de uso de repelentes para gestantes, desde que sejam seguidas as instruções presentes no rótulo do produto. Estudos conduzidos em humanos durante o segundo e o terceiro trimestres de gestação, e em animais durante o primeiro trimestre, indicam que o uso tópico de repelentes à base de DEET por gestantes é seguro. Além do DEET (OFF ®; Repelex ®), no Brasil são utilizadas em repelentes de peles as substâncias conhecidas como Icaridin (Exposis ®) e EBAAP ou IR 3535 (loção Johnson’s Baby ®), além de óleos essenciais, como Citronela. Embora não tenham sido encontrados estudos de segurança realizados em gestantes, estes ingredientes são reconhecidamente seguros para uso em produtos cosméticos conforme compêndios de ingredientes cosméticos internacionais.

Uma possibilidade para os casais temerosos com a doença e que se preocupam com a diminuição da sua capacidade reprodutiva, decorrente da idade, é o congelamento de óvulos ou embriões, considerados procedimentos seguros, eficazes e ótimas alternativas nesta situação.

Decidindo-se pela gravidez, caso o casal precise realizar reprodução assistida por um motivo de infertilidade , é obrigatório a realização de exames para triagem sorológica para a detecção do vírus Zika, de acordo com a nova resolução da ANVISA, de 30 de março de 2016 (RDC N 72).

E pra todo mundo, nunca é demais lembrar: Não deixe água limpa se acumular em sua casa, quintal ou no trabalho.